quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

CORRÊAS E VERDANS, A MINHA ORIGEM!

Sou filho de Dalva Corrêa Branco(Nome de solteira) e Sedec Freitas.
Do ramo familiar "Freitas" pouco tenho conhecimento. Tenho sim, algumas considerações sem o competente registro histórico, algumas suspeitas, todas no entanto sem essencia, portanto deixa este lado para mais para frente.
No que tange ao ramo "Corrêa" as evidências são históricas e comprovadas, graças ao trabalho de pesquisa genealógica do Professor Francisco Corrêa Neto.
Tio Francisco, como gosto de chama-lo, foi quem ensinou-me a amar o meu nome e conhecer a história de parte dos meus antepassados.
Graças a ele e ao seu trabalho, tomei conhecimento da saga que uniu duas pessoas de duas famílias distintas, vindas de dois Paises da velha Europa. A  Família Corrêa, vinda de Portugal e a Famíla Verdan, vinda da Suiça e que No Brasil, constituiram a sua Famíla e se multiplicaram.
E eu sou um desses descendentes, passando para os meus filhos esta história e agora também para vocês.
Meu trisavô José Corrêa Branco era Português dos Açores e morava na aldeia da Lomba da Maia que se situa-se na região central da costa norte da ilha de São Miguel.


Seu filho, Francisco Corrêa Branco, veio para o Brasil em 1881. Tinha 22 anos e veio só.
Ele aqui, começa a sua jornada por Monte alegre e depois Toiama(Já no Município de Itaperuna) e finalmente no alto Cubatão na virada do século 19 para o século 20.
Naquela região, ele desbravou, abriu a primeira picada na mata ainda virgem, plantou café e enriqueceu-se.
Andou ribeirão abaixo até encontrar o caminho que de Itaperuna, passando pelo Kilometro 5(Ponte Preta) levava a São José de Ubá.
Essa picada aberta por ele é a atual estrada municipal de Cubatão.
Uma rua do Bairro Fiteiro em Itaperuna, leva o seu nome.
Os livros que tratam da história de Itaperuna falam dos pioneiros que subirão o Rio Muriaé vindos da banda de Campos ou dos pioneiros que desceram o mesmo rio vindos de Minas Gerais.
Não há referência a Francisco Corrêa Branco, o que é um erro histórico. Mas o lugar de sua fazenda, que começava entre a água de Cubatão e o Mangalo, dali para cima ao longo da Serra do Alvarenga, até as divisas com São José de Ubá, os seus descendente sabem que lá está o pontão do Corrêa Branco como uma sentinela na divisa de Itaperuna com São José de Ubá.
Era a fazenda do bananal de propriedade de Francisco Corrêa Branco.
Essa fazenda ficava no limite de Itaperuna com São José de Ubá, na zona rural do Alto Cubatão Direito, 1° Distrito de Itaperuna, no nordeste fluminense. Ali na nascente do Ribeirão Cubatão, afluente do Rio Muriaé, que corre soberano por toda Itaperuna.
O que separava e ainda separa o vale do Cubatão de São José de Ubá é a Serra do Cubatão, sob o olhar de quem está do lado de Itaperuna. Para quem está do lado de São José de Ubá é Serra do Alvarenga.
Nela, um dos seus picos se destaca na paisagem. É o Pontão do Corrêa Branco. Uma justa homenagem ao desbravador daquela região, Francisco Corrêa Branco.

2 comentários:

  1. Beth Vitória Rezende4 de dezembro de 2011 18:26

    Querido Celso...descubro agora este seu novo blog, pelo qual já estou totalmente encantada, afinal...também descendo com muito orgulho dos "Correa Branco".
    Parabéns! Vou com certeza visitá-lo sempre!

    Abraços
    Prima Beth Vitória
    .

    ResponderExcluir
  2. Ola. Gostaria muito de saber quantos filhos e se os teve Francisco Correa. Porque meu pai contava de sua historia e onde vivia seu pai antes de ir para Itaperuna. Monte Alegre esse era o nome.Meu avo chamava-se Manoel Correa.Meu pai Ronolfo Correa nasceu em 1922.
    Estranho tanta coincidencias.
    Espero sua resposta.
    Abracos

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário. Ele, agrega valor ao meu texto.

MADE IN CORREA

MADE IN CORREA
CCF

BIOGRAFIA

CELSO CORRÊA DE FREITAS-CCF

Nascido em Itaperuna, RJ aos 26 de agosto de 1954.

Reside em Praia Grande desde Fevereiro de 1996. Colaborador ativo nos jornais e demais meios de comunicações (Blogs e Sites), através dos seus artigos e inserções. Sua classificação no 1º Concurso de Poesias Fernando Pessoa lhe permitiu participar da antologia "Poesia e Liberdade" que lhe abriu as portas para sua segunda antologia "Poesia e Amor" e sedimentou a sua posição no cenário poético com o livro "Poeta, Profissão: Homem", "Destino em Transição" e a Antologia " São Paulo-450 anos em Prosa e Versos". Sendo autor também dos livretos "SÍTIO DO CAMPO EM CORDEL" e "OS PORTAIS DE MIM" e colaborou no projeto educacional que gerou o livreto "OS POETAS DA EJA".

Dados: Diploma de “O GRANDE PENSADOR” concedido pelo site http://www.paralerepensar.com.br/ em 30/05/2008.

Texto do mês (Indicação do Editor) concedido pela Revista Eletrônica Sinceridade do Rio de Janeiro, para a crônica “Se Voltaire voltasse e aqui votasse”.

Membro ativo da Escola de Pais de Brasil-Praia Grande e Instituto Oromilade.

Representante de Praia Grande na etapa regional do Mapa Cultural Paulista - 2009

Representante de Praia Grande como Delegado, na Conferência Estadual de Cultura em 2009, que aconteceu no Memorial América Latina em São Paulo-SP

Presidente da Casa do Poeta Brasileiro de Praia Grande-SP.